terça-feira, 26 de outubro de 2010

nua

quando eu andava nua na rua crua de sombra da árvore, o vento me vestia ao mesmo tempo em que me despia daquela energia que não era minha. o pesado virava levinho. a minha roupa era o vento. meu alento por dentro da pele, dentro do peito, em cima do leito. meu músculo não reprimia meus sentimentos por dentro da carne. eu não tinha roupas, ou muros, ou cercas. eu não cabia em fôrmas. porque eu era do tamanho de tudo o que é livre, de tudo que é ar, de tudo que é vento.

5 comentários:

  1. nossa, que bonito clarinha.
    fiquei feliz de vir aqui e encontrar novas coisas escritas.

    ResponderExcluir
  2. que lindo Clara! Parece coisa da Clarice! ;)

    ResponderExcluir
  3. Fico arrepiada toda vez que leio esse pedacinho de você!

    ResponderExcluir